domingo, 6 de junho de 2010

Realismo






Entre 1850 e 1900 surge nas artes européias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética chamada Realismo, que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades. O homem europeu, que tinha aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza, convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade.

São características gerais:

* o cientificismo
* a valorização do objeto
* o sóbrio e o minucioso
* a expressão da realidade e dos aspectos descritivos

ARQUITETURA

Os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações, ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia.
Em 1889, Gustavo Eiffel levanta, em Paris, a Torre Eiffel, hoje logotipo da "Cidade Luz".


ESCULTURA

Auguste Rodin - não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano.
Obras destacadas: Balzac, Os Burgueses de Calais, O Beijo e O Pensador.

PINTURA

Características da pintura:
* Representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza, ou seja o pintor buscava representar o mundo de maneira documental;
* Ao artista não cabe "melhorar" artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é; e.
* Revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade.

Temas da pintura:

* Politização: a arte passa a ser um meio para denunciar uma ordem social que consideram injusta; a arte manifesta um protesto em favor dos oprimidos.
* Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. As pessoas das classes menos favorecidas - o povo, em resumo - tornaram-se assunto freqüente da pintura realista. Os artistas incorporavam a rudeza, a fealdade, a vulgaridade dos tipos que pintavam, elevando esses tipos à categoria de heróis. Heróis que nada têm a ver com os idealizados heróis da pintura romântica.


Principais pintores:

Courbet - foi considerado o criador do realismo social na pintura, pois procurou retratar em suas telas temas da vida cotidiana, principalmente das classes populares. Manifesta sua simpatia particular pelos trabalhadores e pelos homens mais pobres da sociedade no século XIX.
Obra destacada: Moças Peneirando o Trigo.

Jean-François Millet, sensível observador da vida campestre, criou uma obra realista na qual o principal elemento é a ligação atávica do homem com a terra. Foi educado num meio de profunda religiosidade e respeito pela natureza. Trabalhou na lavoura desde muito cedo. Seus numerosos desenhos de paisagens influenciaram, mais tarde, Pissarro e Van Gogh. É o caso, por exemplo, "Angelus".

Para seu conhecimento

Courbet dizia: "Sou democrata, republicano, socialista, realista, amigo da verdade e verdadeiro"
A palavra realismo designa uma maneira de agir, de interpretar a realidade. Esse comportamento caracteriza-se pela objetividade, por uma atitude racional das coisas pode ocorrer em qualquer tempo da história.
O termo Realismo significa um estilo de época que predominou na segunda metade do século XIX.
Do que os autores realistas mais gostavam (temáticas)?
Buscava-se, desta vez, a retratação fiel da realidade e a objetividade é marca consagrada em suas obras. Portanto, repudiam-se os temas de cunho fantástico, extraordinário ou sobrenatural.
O artista, além de documentar a realidade, pela primeira vez busca compreendê-la, acreditando que ao descobrir as causas de ações biopsíquicas e amvientais, o homem estaria no caminho certo para evitar seus efeitos degradantes.
O protagonista preferido é o homem comum e seus conflitos na sociedade, o que importa é o aqui e agora, não se resgata momentos passados ou exóticos como em outros períodos.
Quanto ao enredo, cabe destacar a minuciosa descrição das personagens em detrimento de suas ações, é assim que o autor busca compreender os conflitos.
A linguagem utilizada é livre de arcaísmos e extremamente simples e direta, respeitando as normais gramaticais, mas sem uso de figuras de linguagem obscuras.
Nos gêneros literários não há inovações, o romance e o conto prevalecem.

A crítica sociológica está presente na maioria das obras, abordam-se temas como o preconceito, a intolerância e a exploração. Instituições como a Igreja Católica e a burguesia eram alvos comuns dos autores realistas.
Quais os principais autores do Realismo?
Entre os quais se destacam Fiódor Dostoiévsky, Leon Tolstói, Charles Dickens, Nikolay Gogol e Eça de Queiróz.
Quais os livros mais legais?
A obra que marca o início do Realismo na literatura é Madame de Bovary de Gustave Flaubert, já no Brasil o grande marco é a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário